Se a Internet trouxe o spam, as IAs agora trazem o slop: entenda significado do termo

Assim como foi com o spam, a melhor maneira de combate é nomeando e reconhecendo o problema

Depois do spam como um dos grandes anglicismos que a Internet trouxe para o nosso dia a dia, a nova praga digital é chamada de slop. Se você nunca ouviu falar neste nome, é bom se acostumar, porque será cada vez mais frequente e provavelmente veio para ficar, assim como o próprio spam.

O que é slop?

O termo, cuja tradução literal seria “desleixo”, refere-se ao conteúdo criado automaticamente por ferramentas generativas de IA. Não a qualquer conteúdo criado com elas, mas a conteúdo automatizado sem trabalho humano ou qualquer supervisão, que só tem o propósito de monetizar de alguma forma (visitas a um site, inflar o número de seguidores, etc).

Ao contrário de um chatbot, não é um material interativo nem tem como objetivo responder às necessidades de ninguém. Seu único objetivo é parecer conteúdo humano para atrair tráfego e gerar receitas publicitárias. É como se fosse um spam de lixo, onde fica difícil para o usuário filtrar o que realmente procura dentre todo o slop presente.

Por que é um problema?

Tal como acontece com o spam , ninguém quer consumir resíduos e lixo, mas a economia digital incentiva a sua produção em massa. Com a IA generativa, gerar texto ou imagens em escala industrial é muito simples e lucrativo, mesmo que sua qualidade e utilidade sejam zero.

Alguns exemplos de slop citados pelo jornal The Guardian são:

Um artigo de viagem recomendou visitar um banco de alimentos como atração turística em Ottawa.
Livros sobre cogumelos publicados na Amazon com conselhos potencialmente letais.
Memes virais no Facebook (onde isso está sendo especialmente problemático), como Jesus Cristo com camarões em vez de membros.

Exemplo de slop de Jesus Cristo com camarões no lugar dos membros (Imagem: IA/Autor desconhecido)

Às vezes são risíveis, outras vezes nem isso porque são uma perda de tempo e uma fonte de frustração: obrigam-nos a vasculhar mais lixo até chegarmos a informações úteis. E minam a confiança em qualquer conteúdo, incluindo conteúdo legítimo, como já vimos com as imagens.

A resposta da tecnologia

O surgimento do slop pegou a indústria com o pé esquerdo. A Meta força a marcação de conteúdo gerado por IA, o TikTok a automatiza enquanto o Google introduz resumos automáticos para suas pesquisas. Esforços que não resolvem o problema ou mesmo o agravam, confundindo a linha entre o que é real e o que é artificial.

Para Simon Willison, um desenvolvedor considerado um dos primeiros a usar a palavra slop, é crucial reconhecer e rotular essa ameaça, de acordo com o Tech Times. “O termo spam ajudou a compreender e combater o spam. Definir o slop pode aumentar a conscientização sobre os perigos da IA ​​não supervisionada”.

Internet zumbi

Bots, contas inativas e humanos vivem juntos em um ecossistema caótico onde às vezes é difícil distinguir o que é real e o que é lixo. Algo que temos visto com a Teoria da Internet Morta. Jason Koebler, da 404 Media, chama isso de “Internet Zumbi”, um “ambiente disfuncional e sem sentido onde não há conexão social”. O slop aumenta ainda mais essa sensação de vazio.